The Darkest Minds, Alexandra Bracken

18:37

"When Ruby woke up on her tenth birthday, something about her had changed. Something frightening enough to make her parents lock her in the garage and call the police. Something that gets her sent to Thurmond, a brutal government "rehabilitation camp." She might have survived the mysterious disease that's killed most of America's children, but she and the others have been cursed with something far worse: frightening abilities they cannot control.
Now sixteen, Ruby has spent nearly half her life desperately trying to hide the fact that she's outwitted the camp's sorting system—that she isn't powerless, or safe. She's one of the dangerous ones... and everyone knows what happens to them."






Eu realmente não sei como falar do que eu gostei nesse livro sem revelar spoilers gigantes, por isso vou ter que ser muito cuidadosa (não prometo nada). Eu nem coloquei a sinopse inteira ali em cima porque ela simplesmente conta o livro inteiro, como assim? Teria sido tão chato se eu tivesse lido, ia saber de tudo já.
Nem queria ler esse livro na verdade, uma amiga que estava querendo muito e me falava dele O TEMPO TODO vez ou outra foi quem me convenceu. Ainda bem que tenho uma memória porcaria porque quando comecei a ler não fazia a menor ideia do que o livro se tratava. 
O que você precisa saber é que houve uma doença misteriosa que matou mais da metade da população infantil dos Estados Unidos, ninguém conseguiu explicar o que era, de onde veio e por que matava apenas crianças (Na verdade, Ruby não sabia explicar, já que ela tinha apenas 10 anos quando aconteceu e os adultos faziam questão de esconder tudo das crianças). Mas as mortes não são importantes, as crianças que sobreviveram sim, porque essas não eram crianças normais, elas possuíam habilidades que foram classificadas por cores. Verde (Super memória), Azul (Telecinesia) , Vermelho (Fogo), Amarelo (Manipular equipamentos elétricos) e laranja (Mente). Essas crianças foram consideradas pelo governo como perigosas e foram trancadas em "Campos de Reabilitação" com a promessa de serem "curadas".
O livro começa com a protagonista Ruby já mais velha em um desses campos (Thurmond), o pior deles na verdade, e logo depois você é lançado para o passado e descobre como essa doença misteriosa se espalhou e também como Ruby terminou chegando em Thurmond.
A autora passa muito tempo construindo esse mundo, explicando regras, fazendo você sentir tudo que a Ruby sente e é por isso que você passa muito tempo dentro da cabeça dela. Foi um pouco chatinho algumas horas, eu cheguei a desejar que alguém aparecesse logo para poder ter algum diálogo porque eu não aquentava mais ela falando como Thurmond funcionava, quem ela era e o que ela fingia ser. Pior foi quando ela ficou sabendo do que acontecia além das paredes do campo, porque é quando ficamos sabendo como o país realmente está, a realidade da situação e a Ruby adora divagar sobre coisas. Mas também é quando ela entra em contato com outras pessoas e tudo fica melhor porque a autora sabe como construir personagens, eles estão tão vivos na minha cabeça, cada um com características próprias, historias próprias (não são apenas personagens que ajudam o principal, eles têm vida por si só). O grupo de crianças fugitivas é formado por Zu, que é uma amarela e Chubs e Liam que são azuis, é muito fofo ver como a relação da Ruby com o grupo cresce, eles se tornam uma família. Entretanto, o romance foi meio forçado, não achei acreditável e algumas coisas que a Ruby diz não batem com o fato que ela passou 6 anos da vida dela trancada em um campo de reabilitação onde ela não tinha acesso a televisão/rádio/internet/escola/NADA. Tinha coisas que ela sabia que simplesmente não era para ela saber porque ela não tinha como aprender essas coisas ou entrar em contato com elas. Também acho muito estranho eles não terem trocado de carro uma vez sequer, eles tinham meio mundo de gente atrás deles e simplesmente andavam por ai, felizes da vida no mesmo carro, pra cima e pra baixo.
Eu parei para ler o que eu tinha escrito e parece que eu não gostei muito do livro né? Mas é porque as partes que eu gostei, não posso falar porque seriam spoilers, acho importante dizer que essas pequenas coisinhas que achei implausíveis não me fizeram detestar o livro, só me impediram de amar loucamente ele. Mesmo com esses errinhos, o livro ainda é muito bem escrito, as cenas e as paisagens, é bem feito. Esses deslizes não gritam tanto assim para mim. Eu não me apaixonei pela história, mas me apaixonei pelos personagens e isso é bom o suficiente para mim, uma vez que eu peguei no livro não consegui parar de pensar nele e precisava saber o que ia acontecer em seguida. Só largava a leitura quando estava morta de sono e precisava desesperadamente dormir. Eu quero ler a continuação porque eu espero descobrir mais coisas sobre a trama e o destino dos personagens

You Might Also Like

0 comentários

PARA PENSAR

PARA PENSAR

CURTA A PÁGINA DO BLOG