Leviathan - Scott Westerfeld

22:23


Finalmente li Leviathan, para aqueles que viram o video comemorem comigo (UHUUU o/), mas para aqueles não não viram, vou explicar. Eu comprei esse livro em dezembro, estava muito ansiosa para lê-lo, mas demorou tanto para chegar e quando chegou ele veio com uma capa muito estranha (ódio eterno dela) que acabei perdendo a vontade. Comecei a arrasta-lo para todo o lado na esperança dela voltar, mas sem sorte.  
Então esses dias, do nada, me deu vontade de ler só para me deparar com dois obstáculos enormes: Eu não consegui ler o inglês e as paginas estavam trocadas.
Não é que o inglês fosse difícil, era a linguagem mesmo. Sempre acontece isso quando tento ler livros Steampunk. Nesse livro em particular foi a linguagem naval e de mecânica, tive que ler ao lado do dicionário, foi muito irritante ficar parando o tempo todo para conferir uma palavra, se a história não fosse tão legal, eu teria desistido. As vezes o dicionário sozinho nem era suficiente, tinha que ir no google saber o que tal instrumento fazia ou como tal animal era. Pelo menos melhorou da metade em diante, eu não precisei conferir tão frequentemente como no começo. Lá para o final nem precisei mais, tava lendo normalmente até eu estar em uma cena emocional e do nada me deparar no meio de uma batalha. SIM! as paginas estavam trocadas, nunca fiquei com tanta raiva de uma editora como fiquei dessa. Dá pagina 376 ele pulava para a 392 e ia em ordem decrescente até chegar a 377 e continuava como se nada tivesse acontecido da 393 em diante, precisei ler de trás pra frente. Mas já resolvi esse problema e vão me mandar outra cópia. 
Agora chega de falar sobre a minha experiência e vamos falar da historia. 
É ambientada no período da I guerra mundial, gira em torno de Alek, que é um príncipe austríaco, mas sem direito ao trono pois seu pai se casou uma uma plebeia e Deryn, que é uma escocesa com uma grande paixão por voar e para poder entrar nas Forças Áereas teve que se disfarçar de garoto. É como se fosse a historia da primeira guerra mundial, mas em uma realidade paralela.

Existem os Darwinistas ( Grã-Bretanha, Rússia e França, a Tríplice Entente no mundo real), que são os países e pessoas que acreditam e utilizam a bio-engenharia. Animais fabricados em laboratórios ao invés de maquinas. O Leviathan é uma beastie(não sei como foi traduzido para o português), como são chamados os animais fabricados. Na verdade ela não é apenas um animal, mas um ecossistema. Dentro dos darwinistas existem os Monkey Luddites( não sei como foi traduzido para o português) que não acreditam na bio-engenharia e acham tudo muito errado e contra Deus.

Os Clankers (Alemanha e Áustria-Hungria, as Potências Centrais no mundo real) são os países e pessoas que acreditam e utilizam maquinas ao invés de animais. 

Nem preciso dizer quer Darwinistas e Clankers não se gostam né? Mesmo antes da guerra. Um acha que maquinas são poluentes e o outro acha que as beasties são criaturas que vão contra Deus.
Quando os alemães, ansiosos pela guerra, matam os pais de Alek (o Arque Duque e sua esposa) e culpam a Sérvia, dão inicio a primeira guerra. Áustria se vinga da Sérvia, Rússia declara guerra a Áustria, Alemanha declara guerra a Rússia, França declara guerra a Alemanha e...bom, eventualmente a Grã-Bretanha vai se envolver, mas ainda não nesse livro. 
Mesmo Alek não tendo direito a herdar nada, o tio dele teme que ele possa algum dia subir ao trono, ele odeia Alek profundamente porque ele é filho de uma plebeia e ordena o seu assassinato, ele não tem alternativa a não ser fugir e se esconder. Ele conta apenas com um Walker(uma maquina de guerra) seus professores e alguns homens para sobreviver os ataques do seu próprio país. A única coisa que eu não gostei no livro inteiro foi que no começo pensei que o Alek tivesse 12 anos de idade, fiquei surpresa quando descobri que ele tinha 15.
Eu queria escrever sobre a historia da Deryn também, mas se mistura com a da Dr. Barlow e esse post já ficou grande demais então só tenho uma palavra a dizer: OVO. Eu sei o que tem dentro, eu sei, eu sei, eu sei, eu seeeeeeeeeeeeeiiii.esperar o próximo livro para confirmar.
Por favor acredite em mim quando digo que você precisa ler esse livro, se não tem paciência para catar palavra no dicionário, leia em português, mas leia. Você não vai se arrepender ,sem falar que as ilustrações lindas do Keith Thompson são muito perfeitas. 

You Might Also Like

8 comentários

  1. Noossa!Parece ser incrível! Preciso ler! *O*

    ResponderExcluir
  2. Que bom que o blog voltou!!! Não conhecia este livro, li a resenha e fiquei com a sensação de que não faz meu estilo. Muito legal este mapa.

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma preguiça muito grande de livros que envolvem a primeira guerra mundial ou a guerra civil americana, porque eu não tenho muito conhecimento do assunto e me sinto tão burra, argh D: Acho que ficaria muito frustrada lendo Leviathan, mas como não li muitos livros steampunk ele está na minha lista :P
    Yay, o blog voltou de vez <3

    ResponderExcluir
  4. Você podia recomendar mais coisas steampunk *-* Esse livro parece tão legal :))

    ResponderExcluir
  5. eu também super apoio a recomendação de livros streampunk. estou apenas morrendo com sua resenha, só isso.

    ResponderExcluir
  6. eu também super apoio a recomendação de livros streampunk. estou apenas morrendo com sua resenha, só isso.

    ResponderExcluir
  7. Adoro livros/filmes sobre guerra! Sem falar que o livro é steampunk, então deve ser melhor ainda. As ilustrações devem ser maravilhosas, porque eu gostei muito dessa que você colocou no post.

    ResponderExcluir
  8. Ilustrações "daora" (por falta de expressão melhor)! Recordam aquelas da capa do livro sobre política, de mesmo título.
    Uma vez encontrei uma edição LINDA MARAVILHOSA de Vinte Mil Léguas Submarinas, com ilustrações riquíssimas, na biblioteca da minha escola, mas como não queria lê-lo no momento não peguei. Procurei na internet a mesma edição, planejando comprar, porém não achei em nenhum site ainda (nem no Skoob tem pra marcar). Da próxima vez vou explorar aquela biblioteca e vou encontrar - pela minha vida! - se ninguém tiver roubado ainda.

    ResponderExcluir

PARA PENSAR

PARA PENSAR

CURTA A PÁGINA DO BLOG